O futuro das Vozes nos Jogos: Entre a IA e o Talento Humano

20 fevereiro, 2024

  • Explore como a inteligência artificial está revolucionando a criação de personagens em videogames, prometendo eficiência sem sacrificar o talento.
  • Das preocupações às oportunidades: descubra como os dubladores estão lidando com o avanço dos clones de voz da IA.
  • Entre a economia de custos e a criatividade: como a coexistência da IA e da arte humana está definindo o futuro dos videogames.
Locutor y actor de doblaje grabando su voz en un ordenador para un videojuego.

Você já se viu conversando com um ourives escocês mal-humorado em um videogame ou sendo confrontado por um duende que fala com sotaque cockney? Bem, o que talvez você não saiba é que essas vozes podem ser clones sintéticos gerados por inteligência artificial. Sim, você leu certo. No vasto universo dos videogames, onde se busca cada vez mais experiências imersivas e realistas, alguns estúdios estão recorrendo à IA para dar vida a um número ilimitado de personagens e conversas. Além disso, essa tecnologia promete reduzir significativamente os custos e o tempo necessários para as gravações de voz, que até agora eram usadas como um local temporário para testar cenas e roteiros.

Mas o que isso significa para os dubladores? A reação tem sido mista. Enquanto alguns veem os clones de voz com IA como uma ameaça que poderia relegar todos os atores, exceto os mais renomados, ao esquecimento, outros, como o ator Andy Magee, estão abertos a experimentar a tecnologia, desde que recebam uma compensação justa e que o uso de sua voz seja respeitado. Magee, com um histórico que inclui tudo, desde a administração de uma cervejaria artesanal até a dublagem de vários personagens, vê a IA como uma oportunidade inesperada de avançar em sua carreira.

O Debate Tecnologia x Talento Humano

A introdução de clones de voz de IA no mundo do entretenimento provocou um debate apaixonado: a tecnologia pode coexistir com o talento humano sem substituí-lo? Alguns atores desconfiam da possibilidade de as vozes artificiais substituírem as humanas, temendo que apenas as vozes de celebridades sobrevivam nesse novo cenário. No entanto, há aqueles, como Andy Magee, que optam por abraçar essa nova era, desde que certas condições sejam respeitadas. A chave aqui é a compensação justa e o uso ético de suas vozes clonadas.

Magee, por exemplo, não esperava que sua “grande chance” no setor viesse da inteligência artificial. No entanto, a oferta de trabalho remunerado para emprestar sua voz a esses clones sintéticos representou uma porta de entrada para um mundo até então inacessível. Sua capacidade de dar vida a uma grande variedade de personagens das Ilhas Britânicas transformou o que antes ele considerava um simples truque de festa em uma carreira gratificante.

O uso de IA na dublagem não é totalmente novo e levantou preocupações sobre a criação de deepfakes convincentes. Esses temores não são infundados, dado o potencial de abuso da tecnologia. O setor de jogos, no entanto, vê um futuro em que a tecnologia de IA e o talento humano coexistem, complementando-se em vez de competir.

O Futuro da Interpretação de Voz na Era da IA

Nessa nova era, atores como Andy Magee estão explorando os limites entre a tecnologia e o desempenho humano. Magee, que emprestou sua voz a vários personagens, mergulhou no mundo dos clones de voz de IA, gravando falas com emoções distintas para criar conjuntos de dados de áudio que são usados para gerar réplicas de sua voz. Essa abordagem não apenas permite maior versatilidade na criação de personagens, mas também abre portas para experiências de atuação que vão além da inteligência artificial.

Por outro lado, atores como Zeke Alton, com um histórico em franquias renomadas como Call of Duty, reconhecem o potencial da IA para aliviar parte do trabalho fisicamente exigente na criação de personagens. A capacidade de preencher mundos de jogos extensos com entidades falantes sem a necessidade de contratar um ator para cada voz individual é um desafio logístico e econômico que a IA pode ajudar a superar.

A visão para o futuro é aquela em que a tecnologia de IA serve como uma ferramenta para os desenvolvedores de jogos, melhorando a qualidade e a escala das experiências de jogos e, ao mesmo tempo, mantendo a essência da arte humana na narração de histórias e na dublagem. Esse equilíbrio entre a inovação tecnológica e a criatividade humana pode definir o próximo capítulo da evolução dos videogames.

Deixe o primeiro comentário