AI: Nova ferramenta do Chile para encontrar desaparecidos da era Pinochet

25 janeiro, 2024

🔍 O Chile adopta uma estratégia pioneira utilizando a inteligência artificial na busca dos desaparecidos da ditadura de Pinochet. Saiba como a tecnologia se torna uma aliada fundamental da justiça e da verdade.

Manifestación sobre personas desaparecidas en Chile en la dictadura.

O Chile lançou um projeto audacioso e esperançoso que utiliza a inteligência artificial (IA) para esclarecer um dos capítulos mais negros da sua história recente: o desaparecimento de pessoas durante a ditadura de Augusto Pinochet. Esta iniciativa, anunciada pelo Presidente Gabriel Boric, representa um marco tecnológico e humanitário, procurando dar respostas às famílias que ainda vivem na incerteza e na dor.

Mas como é que a IA pode contribuir para esta procura? A resposta está no poder dessa tecnologia de analisar e correlacionar grandes volumes de dados. Milhares de documentos, testemunhos e registos serão processados por algoritmos avançados, com o objetivo de identificar padrões, ligações e provas que até agora permaneceram ocultos ou dispersos.

Nesta tarefa monumental, a IA desempenhará um papel crucial em três domínios fundamentais. Em primeiro lugar, na classificação e organização de documentos históricos, muitos dos quais ainda não foram digitalizados. Em segundo lugar, na transformação destes documentos em dados analisáveis, utilizando tecnologias como o OCR (Optical Character Recognition), que permitirá converter texto impresso em texto digital. E em terceiro lugar, e talvez o mais importante, na criação de uma rede de ligações entre dados que pode revelar padrões e relações anteriormente não reconhecidos.

A tecnologia de IA não só facilitará a identificação das vítimas e dos autores dos crimes, como também descobrirá novas vias de investigação que poderão ter sido negligenciadas em análises anteriores. Esta abordagem inovadora abre a possibilidade de revisitar casos antigos com uma nova perspetiva, aumentando as esperanças de justiça e de encerramento para muitas famílias.

O impacto potencial desta iniciativa é enorme. Não só oferece a promessa de resolver mistérios de longa data, como também abre um precedente para a utilização da IA na investigação de violações dos direitos humanos a nível mundial. A iniciativa chilena poderia servir de modelo para outros países que procuram resolver casos semelhantes de desaparecimentos forçados ou crimes do passado.

Como Funcionará a IA na Identificação e Correlação de Dados de pessoas Desaparecidas

A utilização da inteligência artificial na busca dos desaparecidos durante a ditadura no Chile centra-se numa metodologia inovadora e complexa. Esta tecnologia não só promete acelerar o processo de análise de dados, como também tem o potencial de descobrir conexões e padrões ocultos que seriam quase impossíveis de detetar manualmente.

Como é que esta proeza será alcançada? Em primeiro lugar, a IA será aplicada à digitalização e análise de documentos. Isto implica a conversão de milhares de páginas de relatórios, registos, declarações e outros documentos em formatos que a IA possa processar. A tecnologia OCR desempenha um papel fundamental neste processo, permitindo a conversão de texto impresso em dados digitais.

Uma vez digitalizados, a IA procede à classificação e correlação dos dados. É aqui que a verdadeira magia acontece. A IA pode identificar padrões nos dados, como nomes, datas, locais e eventos, e correlacioná-los entre diferentes documentos. Esta capacidade é essencial para ligar elementos de informação que, à primeira vista, podem parecer não estar relacionados.

Outro aspeto crucial é o reconhecimento de entidades e variantes linguísticas. Por exemplo, se um criminoso é referido por diferentes alcunhas ou variantes do seu nome em diferentes documentos, a IA pode reconhecer que se trata da mesma pessoa e unificar esta informação. Isto é vital nos casos em que a incoerência dos dados tem sido um grande obstáculo à identificação e compreensão dos factos.

Além disso, a IA não se limita apenas à informação existente. Uma das suas grandes vantagens é a capacidade de sugerir novas linhas de investigação. Ao analisar os dados, pode propor ligações ou hipóteses que não tinham sido consideradas, abrindo novas possibilidades na procura da verdade e da justiça.

Deixe o primeiro comentário